Ultimas Notícias

Notícias


Homem é preso com 60 mil comprimidos de ecstasy, em Duque de Caxias

PRF abordou suspeito após receber informações de inteligência, em uma parceria com a PF. Apreensão é desdobramento de uma ação que descobriu um laboratório sintético na Baixada Fluminense.

Um homem foi preso com 60 mil comprimidos de ecstasy, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, na noite desta segunda-feira (27). A prisão do suspeito e a apreensão da droga foram feitas em uma ação conjunta da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

De acordo com a PF, o homem estava transportando os comprimidos em um carro. Ele foi abordado pelos agentes da PRF na BR-040. O suspeito foi identificado como Gabriel Frederico das Chagas.

A PRF fez a abordagem após receber informações do setor de inteligência sobre o carregamento de drogas, em uma parceria com a PF. O destino dos comprimidos seriam comunidades do Rio de Janeiro.

A apreensão foi um desdobramento de uma ação da PF que resultou na prisão de dois homens no dia 21 de novembro, em Xerém, também na Baixada Fluminense. À época, os agentes encontraram um laboratório de drogas sintéticas.

Ainda segundo a PF, os 60 mil comprimidos de ecstasy representam mais de 50 kg de anfetamina. A droga foi avaliada em R$ 2,8 milhões.

O homem, as drogas e o carro foram encaminhados para superintendência da Polícia Federal, na Praça Mauá, no Rio de Janeiro.

O caso é investigado.

Chefe de facção do tráfico do Ceará é preso em Copacabana

Rogerio Gomes de Oliveira, o Cego ou Coroa, chegou ao RJ com 3 comparsas na semana passada.

A Polícia Civil do RJ prendeu nesta terça-feira (28) o homem apontado como chefe, no Ceará, do Comando Vermelho, a maior facção criminosa do tráfico de drogas do estado.

Rogerio Gomes de Oliveira, o Cego ou Coroa, estava em um prédio em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, e foi preso ao lado da mulher, Maria Daniele Costa de Vasconcelos, e de 2 comparsas.

Os cearenses chegaram ao Rio na última sexta-feira (24) e permaneceram sob monitoramento das forças de segurança.

As prisões foram realizadas por policiais da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme), da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), da Subsecretaria de Inteligência e da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas do Ceará (Draco-CE), cujas investigações levaram a pelo menos 30 mandados de prisão.

A ação policial faz parte de trabalho integrado entre policiais de 11 estados e coordenado pela Secretaria de Polícia Civil do RJ e pelo Ministério da Justiça, que visa a prender criminosos de diversas partes do Brasil escondidos no Rio de Janeiro.

 

Ex-governadora Rosinha Garotinho é alvo da PF por suspeita de fraude na previdência de Campos

Policiais apuram rombo de quase R$ 400 milhões na PreviCampos.

A ex-governadora do RJ Rosinha Garotinho é alvo, nesta terça-feira (28), da Operação Rebote, da Polícia Federal (PF), contra uma suspeita de fraude na previdência municipal de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, base eleitoral dos Garotinho.

A PF investiga um rombo de R$ 383 milhões na PreviCampos. Segundo as investigações, no fim de 2016 a maior parte dos investimentos estava nas mãos de fundos suspeitos, de alto risco e com baixo retorno.

Agentes saíram para cumprir 18 mandados de busca e apreensão em Campos, na capital fluminense, em São Paulo e em Santos (SP).

 

PF diz que ex-secretário responsável por contrato com a gestora da UPA do Éden fez parte da entidade quando ela tinha outro nome

Apontamentos são da Operação Sepsis, deflagrada na quinta-feira (23) em pelo menos cinco cidades do interior de São Paulo. O g1 e a TV TEM tiveram acesso aos documentos.

A Polícia Federal, no curso da investigação que antecedeu a Operação Sépsis, deflagrada na quinta-feira (23), aponta que o então secretário de Saúde de Sorocaba, nomeado por Rodrigo Manga (Republicanos), em janeiro de 2021, responsável pelo contrato com a atual gestora da UPA do Éden, fez parte da entidade quando ela tinha outro nome. Vinícius Rodrigues foi um dos alvos da ação.

Conforme apurado pelo g1, o ex-secretário fez parte do então Instituto de Ciências da Vida (ICV) até 2015. Ele ocupava o cargo de Secretário Geral do Conselho de Administração. Em fevereiro de 2016, o ICV mudou o nome para Instituto Nacional de Ciências da Saúde (INCS).

Ao longo da investigação, a Polícia Federal cita uma “ligação espúria havida entre o exercício de seu cargo público e a disputa nas eleições majoritárias de 2022 (…)”.

O processo de contratação com o INCS foi homologado por Vinícius Rodrigues em 9 de fevereiro de 2022, poucos dias antes de ele deixar o cargo.

Outras informações que o g1 e a TV TEM tiveram acesso mostram que Vinícius recebeu R$ 75 mil em doação de campanha de pessoas ligadas à empresas com relações com o INCS.

O g1 também apurou que, no começo deste ano, Rodrigues teria se apresentado como procurador de 57 médicos que viraram sócios de uma empresa que prestam serviços para o instituto que faz a gestão da UPA do Éden.

O g1 tenta contato com Vinícius Rodrigues por telefone e por aplicativo de mensagens, mas ainda não teve um retorno.

A prefeitura informou que não é alvo da investigação e que colabora com a polícia.

“A informação confirmada pelo delegado coordenador da operação, João Luiz Moraes Rosa, é de que não envolve a Prefeitura de Sorocaba e, sim, uma Organização Social que presta serviços na área da Saúde e suas fornecedoras. Também não há nenhuma acusação contra agente público. Importante destacar que, nesse sentido, como fiscalizadora do contrato, a prefeitura, antes mesmo dessa ação, já vinha notificando e multando, por diversas vezes, a referida Organização Social, conforme previsto na legislação, pelas repetidas falhas no atendimento à população”, dizia a nota.

Já o INCS afirmou o seguinte: “como não tivemos acesso ao inteiro teor da investigação, ainda não temos condições de prestar qualquer esclarecimento, o que será realizado oportunamente, se necessário”.

Entenda o caso

A Polícia Federal e a Controladoria Geral da União (CGU) fizeram uma operação, chamada Sepsis, na quinta-feira (23), para investigar indícios de desvio de recursos públicos na área da Saúde em Sorocaba (SP).

Ao todo, 23 mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 5ª Vara Criminal Federal de São Paulo (SP). Entre os locais de buscas estão a Prefeitura de Sorocaba e a casa do ex-secretário de Saúde Vinicius Rodrigues.

A operação investiga denúncias de fraude a licitação, desvio de finalidade na aplicação de recursos, ocultação de patrimônio com utilização de “laranjas” e lavagem de dinheiro durante a execução de contrato firmado entre a Prefeitura de Sorocaba e a Organização Social de Saúde (OSS) para a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Éden. O contrato é de R$ 60 milhões.