Pulseira de diamantes, carro de R$ 600 mil e joias de Dubai: o que foi encontrado na casa da socialite suspeita de desviar R$ 35 milhões

Samira Bacha foi presa na Grande BH. Segundo a polícia, ela ‘maquiou planilhas’ dos negócios que é sócia para aplicar golpes e comprou artigos de luxo para lavar dinheiro.

Uma pulseira de diamantes, um carro de R$ 600 mil e joias compradas em Dubai estão entre os itens encontrados na casa da socialite Samira Monti Bacha Rodrigues, de 40 anos. Ela é suspeita de desviar cerca de R$ 35 milhões de três empresas e lavar o dinheiro com artigos de luxo (veja lista abaixo).

A mulher foi presa na última quarta-feira (26), em Nova Lima, na Grande BH. No apartamento dela, avaliado em R$ 6 milhões, policiais apreenderam bens que totalizam R$ 15 milhões:

Dezenas de bolsas de grife, que valem de R$ 40 mil a R$ 200 mil;
Relógios de marcas famosas;
Equipamentos eletrônicos;
Dinheiro em espécie;
Uma pulseira de diamantes com certificado de originalidade;
Joias adquiridas em Dubai, que custaram US$ 148 mil;
Uma BMW de R$ 600 mil que estava na garagem.

De acordo com a Polícia Civil, Bacha faz parte do quadro societário de vários negócios na Região Metropolitana e começou a cometer as fraudes em 2020, dois anos após se tornar uma das donas de uma administradora de cartões de benefícios.

“Ela começou aumentando o crédito que tem no cartão. Cada cartão tem um limite para fazer compra, e ela percebeu que podia aumentar o limite, gastar o cartão. Depois, ela mesma apagava, tirava a dívida do sistema”, explicou o delegado Alex Machado, da delegacia especializada no combate a crimes tributários.

Vida de luxo

Na Receita Federal, a investigada é registrada como sócia de quatro empresas de soluções financeiras e investimentos, uma consultoria e uma joalheria. A Polícia Civil apurou que ela se aproveitava da posição de gestora para aplicar os golpes (entenda mais abaixo).

As investigações apontaram que, ao longo do período das fraudes, a mulher passou a frequentar a “alta sociedade” de Belo Horizonte. Ela realizava diversas viagens internacionais para comprar peças luxuosas e usá-las para lavagem de dinheiro através da loja de joias.

“Nós descobrimos que a proprietária da joalheria tinha já uma enorme quantidade de material em posse dela e, durante as buscas, vimos que ela não tinha comprovação nenhuma da origem dele. Ela não tem como comprovar de onde veio, o que é da joalheria, o que foi objeto da lavagem. Portanto, esse material foi todo apreendido e colocado à disposição da Justiça”, explicou o delegado.

Conforme o delegado Alex Machado, a socialite cooptava funcionários da empresa de cartões de benefícios e os fazia maquiar planilhas. Depois disso, passou a atuar em outra companhia do mesmo grupo, especializada em crédito para a classe médica, com valores maiores.

“Ela começou a fraudar esses cartões médicos, aumentar os limites mais ainda, cooptar novas pessoas e descobriu, nesse momento, que poderia pegar o valor dos cartões e descarregar, procurar agiotas que passam o cartão, cobram uma taxa e devolvem uma parte. Quando ela descobriu isso, passou o cartão dela, da empresa, para R$ 500 mil. Ela passa a torrar R$ 500 mil por mês e manda apagar do sistema essa dívida”, detalhou.

Por fim, a mulher migrou para uma terceira empresa do grupo, voltada para a antecipação de recebíveis.

“São empresas que têm R$ 10 milhões, R$ 20 milhões para receber. Ela começou a simular operações, como se alguém tivesse pedindo esses valores, e esses valores eram liberados e caíam direto na conta bancária dela. Ela já estava se preparando para ir embora, sumir com tudo que pudesse. Por sorte, foi descoberta por um funcionário”, afirmou o delegado.
Após ser descoberta, ela foi denunciada pelos sócios. Segundo a Polícia Civil, a suspeita chegou a devolver ao grupo parte do dinheiro, mas, posteriormente, passou a negar os desvios e ocultar o restante.

Ao todo, 11 pessoas foram presas, incluindo o irmão da empresária, Leonardo Monti Bacha; cinco foram liberadas.

Caso Alarmante: Pacientes Sofrem Infecções Após Procedimentos Estéticos com Dentista Sob Investigação

Alegada Dentista de BH Suspeita de Deixar Pacientes com Infecções Após Procedimentos Estéticos

Uma investigação policial está em curso em Belo Horizonte, onde uma suposta dentista é suspeita de ter deixado mais de dez pacientes com infecções após realizarem lipoaspirações de papada. Segundo apuração da TV Globo, a mulher em questão não está registrada no conselho profissional e sua clínica foi fechada pela Vigilância Sanitária.

Camilla Groppo, que acumula quase 12 mil seguidores nas redes sociais, afirma ser especialista em procedimentos estéticos na região abaixo da mandíbula e em bichectomias. Em uma de suas postagens, ela declarou ter realizado cerca de dois mil procedimentos.

Uma das vítimas, que preferiu não se identificar, relatou que viu as publicações de Camilla, confiou em suas habilidades e decidiu se submeter à intervenção cirúrgica. No entanto, o que era para ser um sonho se transformou em um pesadelo, com a paciente enfrentando sérias complicações de saúde.

Com o rosto extremamente inchado e sofrendo intensas dores, a paciente buscou ajuda médica e foi diagnosticada com uma infecção grave, sendo hospitalizada. Ela já passou por duas cirurgias e está se preparando para a terceira.

Outras mulheres que também passaram pela lipoaspiração na clínica relataram experiências semelhantes, incluindo complicações pós-operatórias e falta de cuidado adequado por parte da suposta dentista.

Exames realizados nas vítimas identificaram o contágio por uma bactéria altamente resistente, associada à manipulação inadequada de materiais ou à esterilização incorreta. O tratamento desses casos é complexo e pode levar a sequelas graves, como deformidades faciais.

Em relação à profissional em questão, verifica-se que ela não possui registro adequado no Conselho Regional de Odontologia e está exercendo a profissão ilegalmente há quase dois anos.

Após as denúncias, a clínica foi inspecionada pela Vigilância Sanitária, que constatou diversas irregularidades, incluindo problemas na esterilização dos instrumentos utilizados nos procedimentos.

Em resposta às acusações, a assessoria da Clínica Camilla Groppo afirmou estar cooperando com as autoridades e sugeriu a possibilidade de contaminação cruzada entre os pacientes como causa das infecções, enquanto aguarda um laudo conclusivo oficial sobre o caso.

Empresário ligado a mineradoras é indiciado pela polícia por ameaçar Secretária de Meio Ambiente de MG; ouça o áudio

Em dezembro do ano passado, João Alberto Paixão Lages enviou mensagens em áudio para a servidora após adiamento da audiência que poderia conceder o licenciamento ambiental para a Fleurs Global. Ele ainda não se manifestou sobre a investigação.

O empresário João Alberto Paixão Lages foi indiciado pela Polícia Civil de Minas Gerais por injúria e ameaça contra a secretária de Meio Ambiente de Minas Gerais, Marília Carvalho de Melo.

Por meio de áudios em uma rede social, ele tentou intimidá-la após adiamento de reunião que poderia conceder o licenciamento ambiental em favor da Fleurs Global, mineradora que atua na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O caso foi registrado em dezembro do ano passado. A audiência pública estava agendada para o dia 23 daquele mês, mas foi adiada para janeiro. Ela acabou acontecendo só em 7 de fevereiro. Por meio do Whatsapp, o empresário ofendeu e ameaçou a secretária.

“Ilustre secretária de m* nenhuma, é João Alberto quem está falando. Você para de bandidagem, de tentar extorquir a Global no nosso licenciamento. […] Portanto, Marília, até agora você não enfrentou nada como eu. Mas daqui para frente será diferente”, disse o empresário.
O áudio foi enviado no próprio dia 23. No dia seguinte, o empresário apagou a mensagem e enviou outra, se desculpando. Como não teve resposta, no mesmo dia, no período da noite, voltou a entrar em contato com ela.

“Tentei ser cordial com você. […] Então, minha amiga, bora lá, pra guerra. Continuar sempre. Prepara-te”, disse o empresário, no outro áudio.
Após os episódios, a secretária registrou um boletim de ocorrência contra o empresário e explicou às autoridades policiais que acreditava ter relação com o processo de licenciamento ambiental da empresa, que já estava em fase final (leia mais abaixo).

Alega pressão de colegas
Em depoimento à Polícia Civil de Minas Gerais, João Alberto Paixão Lages confirmou ter mandado as mensagens, mas negou ser sócio da Fleurs Global. Ele disse que conhece os donos da empresa, porque é presidente da Associação das Mineradoras de Ferro do Brasil (AMF).

Aos policiais, o empresário disse que enviou outra mensagem porque estava sofrendo pressão dos associados da entidade que preside e que, por isso, pediu para um amigo em comum que reforçasse o pedido de desculpas à vítima. Esse amigo é o ex-vereador de Belo Horizonte Pablo César de Souza, conhecido como Pablito.

“[O empresário] afirma que o envio das mensagens partiram de sua pessoa sem interferência dos associados, os quais cobravam a resolução da demanda por meio da associação. […] O intuito era que o processo ocorresse de forma mais rápida, pois já se delongava, entretanto exagerou”, diz o relatório da oitiva de Paixão Lages à Polícia Civil.
Crimes cometidos, segundo a polícia
O inquérito, assinado pelo delegado Arthur Martins da Costa Benício, aponta os crimes de injúria e grave ameaça por parte do empresário. A pena pode chegar a sete anos de reclusão e multa, podendo ser aumentada em até um terço por se tratar de delito contra servidor público.

O indiciamento está nas mãos do Ministério Público de Minas Gerais, que pode decidir ou não pela denúncia à Justiça.

Entenda o que está em jogo
A Fleurs Global atua em uma região próxima à Serra do Curral, em Sabará, sem licenciamento ambiental. Desde 2022, a mineradora firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que autorizava as operações do empreendimento temporariamente. A validade desse documento chegou ao fim no último dia 23 de fevereiro.

Agora, com o vencimento do documento, a Fleurs não pode mais atuar na região próxima à Serra do Curral até obter um licenciamento ambiental definitivo. Isso porque, segundo a Semad, não há previsão de renovação do Termo de Ajustamento de Conduta.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas Gerais chegou a realizar a audiência pública para analisar a concessão do licenciamento, mas ainda não houve nenhuma determinação acerca do assunto.

Quem é João Alberto Paixão Lages
O empresário João Alberto Paixão Lages foi deputado estadual por Minas Gerais entre 2016 e 2019, quando tomou posse para substituir parlamentares que assumiram cargos no Governo do Estado.

É, também, um dos sócios da Gute Sicht, que também atua na região da Serra do Curral por meio de TAC e é ré na Justiça Federal acusada de atuar no cartão-postal de Belo Horizonte sem licenciamento ambiental.

João Alberto tem uma extensa carreira nos setores público e privado e assumiu a presidência da AMF para o mandato 2023/2025 em abril de 2023.

O que dizem as partes
Em nota, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas Gerais informou que o adiamento da audiência pública se deu “em decisão técnica fundada na transparência e lisura dos atos públicos”. O objetivo, ainda segundo a pasta, era de “garantir a transparência e devida visibilidade que o assunto requer”.

A secretaria confirmou, ainda, as ameaças sofridas pela secretária e que o processo de licenciamento ambiental da empresa está tramitando, “pautados nos princípios de legalidade, impessoalidade, publicidade e eficiência, que regem a administração pública”.

 

Preso suspeito de matar guarda municipal durante tentativa de assalto a carro em Três Rios

Maicon da Fonseca Fioravanti, de 21 anos, foi encontrado em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Segundo a Polícia Civil, ele confessou o crime.

Um jovem, de 21 anos, suspeito de matar um guarda municipal durante uma tentativa de assalto a um carro, em Três Rios (RJ), foi preso no sábado (17), em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Maicon da Fonseca Fioravanti, conhecido como MK, estava foragido da Justiça.

O crime aconteceu no dia 30 de dezembro, no entroncamento da BR-040 com a Rodovia Lúcio Meira (BR-393), na altura do bairro Moura Brasil (relembre abaixo). Flávio Batista de Araújo, de 37 anos, atuava em Belo Horizonte (MG).

Desde o dia do crime, a Polícia Civil de Três Rios vinha investigando o caso. Maicon foi encontrado por policiais militares do 26° Batalhão (Petrópolis), em um carro descaracterizado, após uma denúncia de que ele estaria vendendo drogas em um bar, no bairro Duques.

Segundo a Polícia Civil, o jovem foi encontrado com seis cápsulas de cocaína. Ele indicou ainda aos policiais que, em uma área de mata próxima ao local onde estava, havia uma sacola com mais 100 cápsulas da mesma droga.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, o Maicon disse que sabia do mandado de prisão e deu detalhes de como cometeu o crime. O rapaz alegou que foi para a rodovia com o intuito de roubar um carro e “tomar” o controle do tráfico de um morro em Três Rios de uma facção rival. Ele afirmou ainda que, como o carro não parou, atirou.

A Polícia Civil informou ainda que Maicon confessou que era o responsável pelo narcotráfico nos bairros Moura Brasil, Bemposta e Triângulo e que, após o crime, o chefe da facção criminosa ao qual pertence ordenou que ele fosse para Petrópolis. A principal função dele na organização criminosa era “ritmar”, isto é, alavancar a venda de drogas.

O suspeito foi levado para a delegacia de Petrópolis e ficou à disposição da Justiça. 

O guarda municipal de Minas Gerais, Flávio Batista, estava em um carro com mais três pessoas: a esposa, que é policial civil, a filha e o motorista, um agente penitenciário. Eles saíram de Contagem (MG) e seguiam para Rio das Ostras (RJ).

À época, a Polícia Militar informou que o motorista reduziu a velocidade do carro ao avistar um para-choque de um caminhão caído na pista.

Neste momento, um homem armado tentou entrar na frente do veículo para anunciar o assalto. O motorista acelerou, e o suspeito atirou. Os disparos atingiram o guarda municipal.

Na busca por socorro, o motorista seguiu até a base da K-infra, concessionária que administra a rodovia, na altura do distrito de Bemposta. Flávio, no entanto, não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

Em nota, a Guarda Municipal de Belo Horizonte (MG) lamentou a morte e se solidarizou com amigos e familiares.

 

Justiça mantém condenação de Nikolas Ferreira por ofensa à identidade de gênero de Duda Salabert

Deputado terá que pagar R$ 30 mil a Salabert por episódio na época em que os dois eram vereadores de Belo Horizonte. Decisão, de segunda instância, ainda cabe recurso.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou o recurso movido pelo deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) e manteve, nesta terça-feira (5), a condenação dele em processo de danos morais movido pela também parlamentar Professora Duda Salabert (PDT-MG). Com isso, ele terá que pagar uma indenização de R$ 30 mil a ela. Ainda cabe recurso.

O processo diz respeito a declarações feitas por Nikolas em 2020, quando ambos os envolvidos eram vereadores eleitos de Belo Horizonte. Na ocasião, em entrevista a um jornal, o atual deputado federal disse que continuaria chamando Duda de “ele”, como já vinha fazendo durante a campanha eleitoral, por “ser o que está na certidão”. Depois, repercutiu as declarações nas redes sociais.

Duda, então, entrou na Justiça contra Nikolas por danos morais, alegando proteção jurídica ao conceito de identidade de gênero. Nikolas foi condenado em primeira instância em abril deste ano.

Na época, a decisão de primeira instância entendeu que Nikolas tem “incontestável influência nas redes sociais” e que as ofensas a Duda tiveram “grande repercussão”.

Na primeira condenação, em abril, foi fixado o valor de indenização em R$ 80 mil. Em segunda instância, o valor foi corrigido para R$ 30 mil. A motivação ainda não foi divulgada, uma vez que a íntegra da decisão ainda segue sob sigilo. O caso tramita na 10ª Câmara Cível de Belo Horizonte.

Nas redes sociais, Duda Salabert comemorou a decisão. Procurado pela reportagem, Nikolas Ferreira ainda não se manifestou sobre o assunto.

Horas depois de processo de cassação do presidente da Câmara de BH ser arquivado, novo procedimento é aberto

Nova denúncia foi feita pelo vereador Miltinho CGE (PDT), que acusa Gabriel de quebra de decoro parlamentar.

Cerca de três horas depois do arquivamento de um processo de cassação do presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Gabriel (sem partido), a Casa aprovou o recebimento de outra denúncia e a abertura de um novo procedimento contra o vereador.

A nova denúncia foi feita em setembro por Miltinho CGE (PDT), que acusa Gabriel de quebra de decoro parlamentar.

O pedido de cassação se baseia em uma entrevista concedida pelo presidente da Câmara, no dia 15 de maio, em que ele anuncia o recebimento de uma denúncia contra Miltinho CGE por suspeita de rachadinha e nepotismo. O denunciante acusa Gabriel de calúnia, injúria, difamação e abuso de autoridade.

“Observamos claramente o uso indevido da posição de Presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, aproveitando-se das prerrogativas do cargo para autopromoção, em detrimento da reputação de outro vereador”, diz um trecho da denúncia.
O documento foi lido em plenário em reunião realizada na tarde desta segunda-feira (4), e a abertura do processo de cassação foi aprovada por 26 vereadores. Outros 14 votaram contra, e um se absteve (veja abaixo).

Um sorteio definiu os membros da comissão processante responsável pela apuração: Álvaro Damião (União), que vai presidir os trabalhos, Wanderley Porto (Patri), que será o relator, e Cida Falabella (Psol). O grupo tem até 90 dias para concluir o processo.

Em entrevista após a reunião, Gabriel se defendeu das acusações.

“Eu estava aqui no Plenário, chegou um pedido de cassação, eu mencionei que o pedido de cassação tinha sido entregue na Câmara por parte de um vereador que responde a investigação por rachadinha, nepotismo e uso irregular de seu gabinete, e eu que vou responder por um pedido de cassação? Agora virou equívoco, virou erro eu dizer que na Câmara não pode ter rachadinha?”, questionou.
 

Homem que espancou, atropelou e matou mulher em BH é condenado a 22 anos de prisão

Wellington Moreira Bispo respondeu por homicídio qualificado como feminicídio e com agravantes de motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. Crime aconteceu em maio do ano passado.

Foi condenado a 22 anos de prisão Wellington Moreira Bispo, homem acusado de espancar, atropelar e matar uma garota de programa na Rua Ana Horta, no bairro Goiânia, na Região Nordeste de Belo Horizonte. Julgamento aconteceu na manhã desta terça-feira (21), no Fórum Lafayette.

O crime aconteceu no dia 17 de maio de 2022. As imagens do circuito de segurança registraram o momento em que Wellington Moreira Bispo jogou a vítima, Eurrane Alves Costa, para fora do carro. Ele agrediu a mulher, que ficou caída na rua e, em seguida, passou com o carro por cima dela por três vezes

O homem foi preso um mês depois, em Sarzedo, na Grande BH.

De acordo com a sentença, ele respondeu por homicídio qualificado como feminicídio, com agravantes de motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima.

A defesa de Wellington Moreira Bispo afirmou que “vai analisar a sentença, para a interposição de eventual recurso”.

 

 

Professor é suspeito de fumar em sala de aula e dar soco em parede de escola particular de BH

Estudantes contaram que ele entrou calado, passou atividade, sentou-se, começou a mexer no celular, acendeu o cigarro e fumou. Alunos estranharam comportamento e começaram a conversar, momento em que ele se irritou, pegou um aluno à força pelo braço, o colocou para fora e deu um sono na maçaneta da porta e na parede, causando danos.

Um professor substituto do 7º ano do Colégio Magnum Agostiniano, no bairro Nova Floresta, na Região Nordeste de Belo Horizonte, é suspeito de fumar dentro de sala de aula e dar um soco na parede.

O fato aconteceu nesta segunda-feira (13) e, segundo a direção da escola, ele foi afastado das funções.

De acordo com relatos de alunos, ele entrou na sala calado, passou uma atividade, sentou-se, começou a mexer no celular, acendeu o cigarro e começou a fumar.

Os estudantes estranharam o comportamento dele e começaram a conversar, momento em que o professor se irritou, pegou um aluno à força pelo braço, o colocou para fora e deu um sono na maçaneta da porta e na parede, causando danos.

Alguns estudantes se sentiram mal, saíram da sala e chamaram a supervisão do colégio.

O professor foi retirado da sala de aula e afastado. A Polícia Militar chegou a ir à escola, mas o boletim de ocorrência não foi registrado.

O Colégio Magnum Agostiniano lamentou o ocorrido. Leia abaixo a íntegra da nota enviada pela escola.

O que diz o Colégio Magnum Agostiniano
Leia a íntegra da nota:

“Na manhã desta segunda-feira, 13, a direção do Colégio Magnum foi informada sobre a conduta irregular de um dos docentes que estava ministrando uma aula para os alunos do sétimo ano. Após certificar-se que os estudantes estavam bem e concluir a apuração interna, a direção afastou o profissional e os alunos retornaram às suas atividades regulares. As famílias foram informadas e todas as medidas cabíveis ao caso estão sendo tomadas. O colégio lamenta o ocorrido e reforça o compromisso em zelar pela a educação e bem-estar dos alunos”.

 

123 Milhas: ex-funcionários protestam em frente à sede da empresa e exigem pagamento

Nesta quinta-feira (9), a Justiça desbloqueou R$ 23 milhões para pagamento de despesas trabalhistas. Trabalhadores alegam que, até o momento, a empresa não se manifestou.

Ex-funcionários da 123 Milhas fizeram um protesto, na manhã desta segunda-feira (13), em frente à sede da empresa, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Os trabalhadores alegaram que não receberam a rescisão trabalhista desde quando foram desligados, em agosto deste ano, após a agência suspender pacotes e a emissão de passagens promocionais.

Manifestação acontece quatro dias depois que a Justiça de Minas Gerais desbloqueou mais de R$ 23 milhões da empresa. De acordo com o documento assinado pelo desembargador Alexandre Victor de Carvalho, da 21ª Câmara Cível Especializada de Belo Horizonte, 123 Milhas terá o valor liberado para o pagamento de despesas trabalhistas como Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), salários e planos de saúde, por exemplo.

Porém, os funcionários alegaram que, mesmo depois desse desbloqueio, eles não receberam rescisão trabalhista e nem comunicado da empresa.

“Não recebemos nenhum informe da empresa, nenhum comunicado em relação aos nossos direitos trabalhistas. Eles precisam pagar o que devem. Se o débito conosco é de R$ 15 milhões, eles já podem nos pagar. Mas estão em silêncio desde então”, relatou o agente de viagens, Marcos Paulo.
Ao g1 Minas, a 123 Milhas informou que o valor liberado pela Justiça “é destinado para pagamentos de despesas correntes da empresa, como folha de pagamento, atuais colaboradores, plano de saúde, aluguel, entre outros”.

Acrescentou também que “a empresa está proibida por lei de realizar pagamento das rescisões trabalhistas antes da aprovação do plano de Recuperação Judicial”.

Entenda o caso
Os problemas com a empresa começaram no dia 18 de agosto deste ano, quando a 123 Milhas suspendeu pacotes e a emissão de passagens promocionais. A medida afetou viagens já contratadas da linha “Promo”, de datas flexíveis, com embarques previstos a partir de setembro de 2023.

Ainda em agosto, a Justiça autorizou o processamento do pedido de recuperação judicial feito pela 123 Milhas e pela HotMilhas, controlada pela agência de viagens, e pela Novum Investimentos, sócia da empresa.

Na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Pirâmides Financeiras, as investigações apontaram que a empresa operava no vermelho quatro anos antes de pedir a recuperação judicial.

No dia 10 de outubro, a Justiça mineira autorizou, em segunda instância, os estornos de passagens aéreas e pacotes turísticos comprados pelo cartão de crédito com a 123 Milhas para uma conta judicial.

No mesmo dia, uma decisão havia solicitado que os valores de “chargebacks” pedidos pelos clientes voltassem para a empresa.

 

Vereador de Ribeirão das Neves é preso suspeito de agredir a namorada

A vítima teria recebido um tapa no rosto por se negar a ter relações sexuais com o namorado. Ela solicitou uma medida protetiva contra ele.

O vereador de Ribeirão das Neves Leandro Alves Rocha, de 43 anos, conhecido como Léo de Areias (PL), foi preso em flagrante por suspeita de agredir a namorada, de 25 anos, no meio da rua, na madrugada deste domingo (29).

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima foi agredida com um tapa no rosto por se negar a ter relações sexuais com o político. A Polícia Civil pediu uma medida protetiva contra ele.

O caso aconteceu no bairro Menezes, na cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte, por volta de 1 hora da manhã, em frente a casa da jovem. Ela relatou aos militares que, no momento que tentava sair do carro do namorado, recebeu um tapa e caiu no chão, machucando as mãos.

A vítima relatou que já foi agredida outras vezes pelo companheiro, com quem tem relação há cerca de três anos, e que ele tem o costume de colocar pessoas para persegui-la.

“Se não ficar comigo, não vai ficar com mais ninguém”, dizia o parlamentar, segundo a namorada.
Os militares registraram no documento que o vereador estava com sinais de embriaguez. Ele, porém, negou ter agredido a namorada e afirmou que ela usou tijolos para danificar o seu carro.

A Polícia Civil ratificou a prisão em flagrante do político. Informou que ele segue à disposição da Justiça e que o caso seguirá em investigação. A audiência de custódia dele deve acontecer na manhã desta segunda-feira (30).

Reforçou, ainda, que expediu uma medida protetiva em favor da vítima e contra ele.

A Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp) informou que o vereador chegou a ser levado ao Presídio Antônio Dutra Ladeira, mas a Justiça de Minas concedeu liberdade provisória em seguida.

Pelas redes sociais, a assessoria de Léo Areias divulgou que o vereador foi envolvido em um “incidente”, e que a ocorrência trata-se de uma controvérsia.

“Conforme o processo avance, será devidamente comprovado que esta situação não passa de uma intercorrência momentânea em sua trajetória”, disse a nota.

A assessoria da Câmara Municipal de Ribeirão das Neves também foi procurada, mas não se posicionou até o momento.

Ex-presidente da Casa Legislativa da cidade, Léo foi o 4º parlamentar mais votado nas últimas eleições municipais de Ribeirão das Neves, com 2.443 votos. No portal da Câmara, consta que o político é bacharel em administração de empresas.